Páginas

15 de agosto de 2013

desculpas que são culpas


Adormeci ao sabor do fim. Desculpas que são culpas ecoam na almofada, este o material dos sonhos contemporâneos. A palavra que outrora girava em panóplias de cores inacreditáveis tornou-se monocromática. Que cobarde. Vi-a fugir sorrateiramente pela porta do fundo. Gritei-lhe com toda a alma, vai, vai e nunca mais voltes! Deixei-me morrer na periferia, outra vez. Mas não chorei, eu nunca choro.

Raquel Dias
Enviar um comentário