Páginas

28 de junho de 2010

(...)

"Mesmo longe caem rosas como pedras preciosas que confundem a razão.
O mistério do teu lado entre o certo e o errado, bem e mal em discussão.
Volta o teu abraço cheio com o coração no meio, volto eu a disparar...
Não percebo o que é que queres, diz me tu o que preferes: ir embora ou ficar?
Este espaço intermédio entre a paz e o assédio não nos deixa evoluir!
Não é dor nem fogo posto, é amar sem ser suposto, é difícil resistir...
Deixa andar, deixa ser... quando queres entender o que não podes disfarçar,
escolhes não sentir mas não é teu para decidir, se faz bem ao coração
largar o que há em vão, faz bem ao coração...

Meu amor esta vontade, meu amor se é verdade, meu amor se queres saber:
Abre espaço no que é teu para te dar o que é meu... deixa andar, deixa ser..."


Largar o que há em vão, Tiago Bettencourt & Mantha
Enviar um comentário