Páginas

4 de junho de 2010

profetizo a flor que na semente há


Profetizo a flor que na semente há,
desde a raiz às macias pétalas…
Pressinto-lhe o aroma da madrugada,
e a delicadeza das campestres cores,
típicas dos infindos campos
que abaixo da Lezíria do Tejo brotam.
Sei-a apenas por senti-la,
na palma das mãos e no olhar adormecido,
como se no sonho a tivesse plantado,
na esperança de na realidade a colher.



-RD
Enviar um comentário