Páginas

28 de novembro de 2011

já o solo brande

E já o solo brande
pela loucura de te ter na tua ausência
pelos teus passos a ecoar na minha demência,
enquanto a pele se deixa enrugar
pela passagem veloz de cada ano,
em que não fui capaz de cessar
a urgência de dizer o quanto te amo.



Raquel Dias
Enviar um comentário