Páginas

30 de novembro de 2011

Dormi,
Mergulhei no meu sossego
Opaco, de sonhos abstractos
Muito à margem do medo
de um futuro incerto
tão distante quanto perto.
Corri,
O terror possuí luz própria,
E tombei, morta,
Junto à praia deserta.
O homem abriu a porta,
Sorriu,
E eis que um vento surgiu
Cobrindo a palma da mão.
Despertei,
Já sem pulsação,
Nos teus braços acolhida,
Por fim tomei noção
Do quão vã é a vida…



Raquel Dias
Enviar um comentário