Páginas

14 de julho de 2013

pretextos existenciais

sinto-me ocasionalmente mal e doí-me o coração como se não existisse 
e neste fosso de aspirações ausentes é de terra infértil
que se enchem as veias e artérias e a matéria do meu ser


de olhos humedecidos, tudo parece saído de uma realidade astral

o meu verdadeiro nome soma-se à incerteza de um rosto
e o meu desgosto seria ainda assim reconhecer-me



antes não ser-me e eis um pretexto para existir



Raquel Dias

Enviar um comentário