Páginas

29 de agosto de 2013

ave migratória

o outono aproxima-se, sinto-o na pele, sinto-o na alma, ainda que seja um ténue arrepio ocasional…
da janela observo as manhãs em mutação,
o misticismo na lua que cresce,
na mão que me despe a memória,
parece demasiado distante,
e no entanto,
o bafo do verão já muda de trajectória

(quero que saibas que procurei-te pela praia,
devastei quilómetros, marés assombrosas,
fiz-te prosa nas madrugadas tristes,
mas tu preferiste não ser encontrado,

agora o outono amanhece-me o caminho, arrefece-me o desejo,
não serás mais que o espinho de sempre)

é tempo de partir como a folha que cai,
sinto-o na pele, sinto-o na alma,
o outono devolve-me a calma de uma ave migratória



Raquel Dias
Enviar um comentário