Páginas

22 de agosto de 2013

distracções

Aqui interrompeu-se a cena. Ficamos quietos no desafogo, na inutilidade das palavras,
simulamos uma cegueira recíproca,
pensamos e ensaiamos o mundo na solidão,
afinal,
estamos sempre sós ainda que a sós num verbo plural.
São as distracções, as comoções desmedidas que nos penetram o espírito,
os olhos líquidos que me reaparecem na memória… 
(…no teu caso não sei)


¿y qué?

Levo constelações ao peito, transbordo asas e azares,
os mares fizeram-me assim,
a ti deram-te a dormência, a descrença, enfim, os mesmos infortúnios, presumo…

Aceitemos – porque não? - as distracções como parte integrante,
isto como algo feito à medida de loucos contemporâneos,
gente sem preconceitos ou preceitos tradicionais,


¿por qué no?



Raquel Dias


Enviar um comentário