Páginas

5 de agosto de 2015

Viagem fugaz no tempo


A estrada, as horas, o infinito das nuvens, o tempo que te percorre as veias e a tinta com que mato as sextas-feiras, abstrai-te, sai de casa, o dia passa e eu esqueço-me de ti mas não tanto quanto relembro a saudade, às vezes da praia, às vezes do campo, do teu tamanho concreto e de como não cabes cá dentro ainda que encaixes… As horas outra vez no pulso e na cabeceira, na primeira perseguição, eu tento apanha-las e mata-las simultaneamente, depende, sempre depende, do quão vazias estão. Se eu pudesse viajar no tempo não sei que faria, se voltaria ou se ficaria aqui, na placidez daquilo que não vês. É demasiado tarde para cobiçar o futuro. Regresso às nuvens, à chuva imaginada, à obscuridade da nossa casa. Se eu pudesse ficar no limbo… pressinto que jamais voltaria, que jamais me iria
de ti.


Raquel Dias



Enviar um comentário