Páginas

16 de julho de 2011

terra aos molhos aos pés

Há terra aos molhos aos pés
pedaços de açúcar flutuantes
praias distantes
e ainda marés
Algodão cor-de-rosa
que delicado ingressa
nos delírios da prosa
lida em impulsiva pressa
E outros tons,
outros sons,
a padronizar o redor
as luzes embasbacadas
entorpecidas pelo esplendor
das barquetas aportadas
Eis a nova terra,
de mil cores e sabores
a transbordar nobreza
A terra dos meus louvores
virgem mãe natureza!
Aqui o espaço não pertence
há terra aos molhos nas mãos
que ao poucos se padece
pelo erguer do chão.


Raquel Dias
Enviar um comentário