Páginas

22 de setembro de 2013

pequena divagação

Quem nos adverte de que as coisas tendem a mudar brutalmente de um dia para o outro é de facto um sabido da vida. Eu começo a acreditar que estou na posição de fazer tais comentários, uma vez que a minha odisseia existencial tem-me continuamente evidenciado essa dura – e feliz- realidade. Dou por mim a acreditar que o melhor mesmo é não fazer planos, é não fazer nada que envolva expectativas… O ideal é deixar-se ir com a maré, absorvendo e aproveitando cada minuto, como uma bênção inigualável, sempre cientes da sua efemeridade. Claro que isto não significa deixar de projectar ou de sonhar… Significa perseguir pequenas alegrias diárias, apreciar o momento, o entretanto, afinal, a vida é isso, o agora. O depois, quem sabe se chegará…



Raquel Dias
Enviar um comentário