Páginas

27 de dezembro de 2014

Da tua terra à minha


do sonho à ínfima pedra
uma mão que trepa
uma que vacila
o teu cheiro passa raspa e corta
eu faço-me morta
até que
a tua terra e a minha
não sejam mais as mesmas.



Raquel Dias
Enviar um comentário