Páginas

13 de abril de 2015

poema obsceno

quero escrever poesia obscena
fazer de ti um orgasmo mudo
um sussurro na ponta dos dedos
um enredo digno de cinema

quero beijar-te as pestanas
as entranhas e os fluídos
fazer de ti lobo, canibal,
uivos, sangue, temporal

Quero dar-te a vida
dar-te um pedaço
do regaço infértil que trago

Quero ser-te a loucura
ser-te a paz
que aplaca o desejo mordaz

Na noite e na quimera
à plena luz da primavera
ser-te a terra
e a exosfera
tudo quanto já era

antes de que me esquecesses.



Raquel Dias
Enviar um comentário